quarta-feira, 1 de julho de 2009

Campo Grande sacrificará mais de 2 mil cachorros devido a doença

Por O Globo
Um problema de saúde está causando polêmica em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Cachorros estão sendo sacrificados por conta da leishmaniose. A capital sul-mato-grossense tem cerca de 132 mil cães e, segundo o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), mais de 18 mil deles já fizeram o exame para diagnosticar a doença. Os animais sadios ganharam uma coleira que repele o mosquito transmissor da doença por seis meses. Já os animais com resultado positivo, cerca de 13%, ou seja, mais de 2,3 mil devem ser sacrificados, como indica a Organização Mundial de Saúde (OMS). Em Campo Grande, cerca de 150 agentes de saúde e mais 90 servidores e agentes do CCZ participam da campanha para a coleta de sangue nos cães da cidade. Os trabalhos já foram concluídos nos bairros Veraneio e Sobrinho e continuam esta semana nos bairros Nova Lima, Novos Estados, Mata do Jacinto, Estrela Dalva, Margarida, Santo Antônio, Santo Amaro e Piratininga. A leishmaniose está presente em 20 estados, e é provocada por um protozoário que fica escondido dentro da célula. Ele é transmitido pelo mosquito flebótomo. O mosquito pica o cão infectado e depois pica o homem, contaminando os dois. Em humanos, se não tratada, a doença pode matar, pois afeta órgãos vitais, como medula, fígado e baço. Mas existe medicação disponível na rede pública e a cura chega a mais de 90% dos casos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário