segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Americanos e japoneses pagavam para furar fila em resgate no Peru, dizem brasileiros

Por Diana Brito
Os brasileiros que chegaram nesta segunda-feira ao Brasil em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) após ficarem isolados por quase uma semana na cidade de Águas Calientes, no Peru, afirmaram que tinham informações de que turistas americanos e japoneses pagavam até US$ 500 para passar na frente das pessoas que estavam sendo resgatadas. Por volta das 2h desta segunda-feira, 62 brasileiros que estavam ilhados no país por causa das fortes chuvas chegaram à Brasília e, em seguida, 57 deles seguiram para a base aérea do Galeão no Rio de Janeiro. "Nos primeiros dias de resgate priorizaram americano e japonês e depois, que começaram muito mal a priorizar as outras pessoas. Tinha um grupo de brasileiros literalmente brigando com os policiais peruanos para impedir que as pessoas furassem fila, pagassem para poder entrar no helicóptero", conta ainda nervosa à Folha Online a advogada carioca, Flávia Almeida de Faria, 28."A gente ficou sabendo que estavam cobrando US$ 500 por pessoa para passar pelo trecho. A gente tem informação de que todos os hóspedes de um hotel de luxo da região também pagaram e foram todos resgatados na frente", completou. O ministro de Comércio Exterior e Turismo do Peru, Martin Perez, chegou a revelar na semana passada que alguns "maus funcionários" exigiam dinheiro para o resgate dos turistas que ficaram ilhados pelos deslizamentos de terras e enchentes causados pelas fortes chuvas que atingem a região de Cuzco. Ele pediu ainda que a população denuncie estes funcionários ao governo e garantiu que não existia "nenhum custo ou preferência" no transporte dos turistas ilhados. "A retirada não leva em conta nacionalidade, mas sim o estado de saúde da pessoa e as prioridades que os direitos humanos estabelecem nos casos de desastre; já foram retiradas as crianças e os idosos", disse.

Um comentário:

  1. nossa, que absurdo mesmo, é bem coisa de brasileiro querer sempre levar a melhor.

    ResponderExcluir