sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Beyoncé levou 30 mil fãs ao delirio no seu show de estreia em Floripa

Por Lívia Santos
Lasciva, atrevida, criança, fetichista, angelical, perua. Beyoncé representa tantas personagens quantas as roupas que troca no show da turnê “I Am...Tour”, que estreou na noite desta quinta-feira (4) no Brasil, em Florianópolis, para 25 mil pessoas. Florianópolis foi a palavra que ela deve ter treinado para pronunciar bem, ao contrário de José Alexandre, nome de um fã para quem estendeu o microfone e se enrolou toda para repetir, antes de cantar “Say my name”. Mas isso já foi quase no fim do show, que durou duas horas cravadas, das 22h15 à 0h15. O início bombástico com “Crazy in love” provocou histeria, o que não foi exatamente uma surpresa. Ela abusou da sensualidade em “Naughty girl”, com trechos de “Love to love you baby”, de Donna Summer, até que em “Freakum dress” ela cantou caindo suavemente para trás, até tocar o chão. E pulou, rebolou e mexeu o laçarote da parte de trás do collant, bem no derrière. E depois parou, encarou a plateia meio incrédula e disse: “uau!”. O discurso “é um prazer estar aqui, pela primeira vez no Brasil. Sempre me disseram que eu tinha de vir e aqui estou” pode até parecer previsível entre as grandes estrelas.Segurar a bandeira nacional também não é lá muito criativo, Madonna que o diga. Mas a diferença de Beyoncé é que ela parece fazer tudo com sinceridade. Inclusive cantar, porque se ela usou playback uma ou duas vezes, foi muito. Mostrar imagens antigas suas no telão, dançando enquanto era apenas uma menina, a fez sentir como se fosse alguém da família.

Um comentário:

  1. amei!! fiz um post sobre Beyoncé no meu blog http://moradadevenus.blogspot.com/

    ResponderExcluir