terça-feira, 20 de abril de 2010

Eike Batista ameaça destruir Florianópolis

Por Blog Morada de Vênus - Paty
Quem já esteve na Ilha com certeza ficou emocionado ao ver este pedaço de terra deslumbrante rodeado por um mar verde esmeralda e por outras ilhas, que atraem brasileiros do país inteiro e estrangeiros, principalmente da América do Sul e da Europa. Todos atraídos pela beleza natural praticamente intacta, e pelo contato com a cultura local, de uma culinária baseada em peixes e frutos do mar ali mesmo cultivados, de uma vida que segue o ritmo da natureza, sem os atropelos do dia-a-dia moderno. Coisa rara hoje em dia. Porém, o crescimento sem planejamento da cidade e da região, obviamente, já está trazendo prejuízos na questão da segurança pública e na dos impactos negativos ao meio ambiente.Para destruir de vez este ideal, um megainvestimento ameaça transformar a Ilha (e municípios vizinhos, não menos belos) em mais um local insalubre para os seres vivos da região. Qual seria ele?? A construção de um estaleiro no município de Biguaçu (17km de Florianópolis), pela OSX, empresa do multibilionário Eike Batista. Este estaleiro tem por objetivo construir e reparar navios petroleiros, para atuar em outras empresas do empresário ligadas à produção de petróleo. Isso significa que seres marinhos, do molusco ao cetáceo, terão de conviver com tintas, graxas, arsênico, óleo e demais resíduos que um estaleiro de grandes embarcações e plataformas petrolíferas pode gerar. Com tantas águas já poluídas no imenso litoral brasileiro que poderiam ser utilizadas para este fim, Eike Batista (que já tem patrimônio de 27 bilhões de dólares, mas tem como objetivo de vida ser o homem mais rico do mundo) escolheu logo um lugar selvagem, de águas límpidas, para construir mais uma arma na sua escalada ao topo, arma essa que vai matar mais uma área ainda intacta da atuação humana destruidora .O local é totalmente inapropriado para este empreendimento. Isso porquê está localizado em meio a 3 unidades de preservação amiental federais: Área de Preservação Ambiental de Anhatomirim (que abriga baleias francas e golfinhos, em Governador Celso Ramos), Estação Ecológica de Carijós (próxima as praias de Daniela e Jurerê, entre outras no norte de Florianópolis) e a Reserva Biológica do Arvoredo. Esta última, inclusive, por ter espécies em extinção, foi enquadrada na categoria mais restritiva de unidades de conservação, sendo proibidos mesmo a pesca e o turismo local; apenas uma pequena área é liberada para mergulho.

2 comentários:

  1. olá Paulo! obrigada mesmo pela publicação deste texto no seu blog. sinta-se a vontade p/ enviá-lo para os seus contatos. a internet tem um poder muito grande, vamos usá-lo para sensibilizar as pessoas e evitar que isso ocorra. abçs!

    ResponderExcluir
  2. Olá, quero te convidar para participar do Movimento em Defesa das Baías de Florianópolis - CONTRA a instalação do ESTALEIRO, da OSX, em BIGUAÇU! Acesse o blog, tem um abaixo-assinado e se quiser comentar nossas postagens, divulgar nosso blog...
    A Natureza agradece.

    Flora Neves.

    ResponderExcluir