domingo, 1 de agosto de 2010

No Dia do Orgasmo, especialistas dão dicas para as mulheres chegarem ao clímax

Por Lilian Ferreira
A principal reclamação sexual das mulheres é não chegar ao orgasmo. Os números variam de 30 a 40% das brasileiras que dizem nunca ter sentido um. E como o dia 31 de julho foi instituído na Inglaterra como o Dia do Orgasmo, o UOL Ciência e Saúde foi buscar dicas com especialistas para que você descubra novos truques para gozar. De acordo com Gerson Lopes, presidente da Comissão Nacional de Sexologia da Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), a explicação para a alta taxa de anorgasmia pode ser pelo fato da masturbação ser vista como um ato masculino no país. Nos EUA, este número não passa dos 10%. Entretanto, o médico destaca que esta é a principal queixa de mulheres jovens, até 35 anos. Depois os problemas de falta de desejo são maiores. Para Deva Nishok, do Centro Metamorfose, que desenvolveu uma técnica de massagem baseada no sexo tântrico, muitas mulheres têm problemas funcionais por causa da musculatura hipotônica da vagina. “Tanto a vagina quanto o clitóris são músculos e precisam ser tonificados. Quanto maior o tônus, maior a sensibilidade”, diz. Ele lembra que o tônus está associado a substâncias como o sódio e o potássio, que são veiculadoras de eletricidade pelo corpo. “Com pouco tônus a sensibilidade torna-se suscetibilidade e aí há um declínio na sensação de prazer”, afirma Nishok. Os exercícios de Kegel são muito utilizados para fortalecer a vagina. Um deles é contrair os músculos pélvicos por 10 segundos e depois relaxá-los. Repetir isto 10 vezes, três vezes ao dia. Outro é tentar parar o fluxo da urina, repetindo várias vezes sem contrair os músculos abdominais, da coxa ou os músculos das nádegas enquanto realizar o exercício. É possível ainda introduzir um dedo na vagina ou inserir um cone com peso e tentar segurá-los.

Nenhum comentário:

Postar um comentário