sábado, 9 de outubro de 2010

Terra natal de Tiririca não encontra registro de sua alfabetização

Por Roney Domingos
Eleito deputado federal por São Paulo com 1,35 milhão de votos, mas ameaçado de ficar sem a vaga em razão da suspeita de ser analfabeto e de ter fraudado sua declaração de escolaridade, Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca, de 45 anos, é uma celebridade nas ruas de Itapipoca, mas é difícil encontrar na cidade quem se lembre dele no banco escolar. O G1 conversou nesta semana com diretores dos quatro colégios mais antigos da cidade, o Anastácio Alves Braga, o Joaquim Magalhães, o Murilo Cerpa e o Monsenhor Tabosa, que não encontraram documentos sobre a vida escolar do deputado que mais recebeu votos no Brasil. A reportagem falou também com amigos e com o prefeito da cidade natal do humorista.Tiririca desembarcou em Fortaleza no próprio domingo (3), pouco após a votação se encerrar, para descansar da campanha e se afastar da polêmica em torno de sua escolaridade. Ele é alvo de duas representações na Justiça. Uma delas já foi aceita pelo juiz da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, Aloísio Sérgio Rezende Silveira, que deu prazo de dez dias para que a defesa de Tiririca se manifeste. Nesta representação, o promotor afirma que Tiririca é analfabeto, o que descumpre uma exigência constitucional para aqueles que pretendem ocupar cargos eletivos. A outra tem relação com a possibilidade de o candidato ter falsificado a declaração de próprio punho entregue ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). O documento é um substituto para comprovante de alfabetização. Coordenadora do colégio Anastácio Alves Braga, fundado em 1938, Maria Esmeralda Montenegro Alves, de 72 anos, destacou, a pedido da imprensa, um funcionário para tentar localizar Tiririca nos registros. "Fizemos uma investigação no arquivo morto, no diário de classe e no livro de matrículas, mas não encontramos nada", disse na tarde desta sexta-feira (8).A busca foi feita durante três dias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário