segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Bush lança autobiografia, na qual defende guerra no Iraque e torturas

Por Lucia Leal - Efe
O ex-presidente dos Estados Unidos George W. Bush (2000-2008) encerrará na terça-feira a discrição em que se manteve desde que deixou a Casa Branca com o lançamento de um aguardado livro de memórias, que, no entanto, não será uma surpresa maior porque muitos de seus segredos já foram divulgados na imprensa.As 481 páginas de "Decision Points" não surpreenderão aqueles que forem às livrarias para saber o que levou Bush a declarar a guerra ao Iraque, como o furacão "Katrina" o afetou ou por que ele autorizou as simulações de afogamento (waterboarding) a terroristas.Todas essas respostas a população já obteve através de uma extensa cobertura dos meios de comunicação, ansiosos por trazer de volta à cena política o ex-presidente que encerrou seu mandato com o índice de impopularidade mais alto da história moderna do país, de 76%.Mas, enquanto todos falam de seus deslizes políticos, como aquele no qual reconhece que pensou em se livrar do vice-presidente Dick Cheney na campanha para sua reeleição em 2004, Bush quer afastar-se o máximo possível deles. Em entrevista a Oprah Winfrey que será transmitida na terça-feira, Bush afirmou que não é um "cientista político", após a apresentadora pedir sua opinião sobre as eleições legislativas que nesta semana fizeram o Partido Democrata perder a maioria na Câmara. O ex-presidente também prefere não criticar seu sucessor, Barack Obama, quem ele insiste em tratar da forma como ele "gostaria de ter sido tratado".

Nenhum comentário:

Postar um comentário