terça-feira, 2 de novembro de 2010

Versão brasileira de Hair estreia no Rio com orçamento de R$ 6 milhões

Por Renan Botelho
O musical Hair, criado em 1967 por Gerome Ragni e James Rado, ganhou uma versão brasileira que estreia na sexta-feira (5), no teatro Oi Casagrande, no Rio de Janeiro. O espetáculo foi produzido pela dupla Charles Möeller e Cláudio Botelho, com um orçamento de R$ 6 milhões. Em entrevista ao jornal O Dia, Möeller disse que a versão nacional “é muito mais padrão Broadway” do que o próprio espetáculo em cartaz na Broadway, em Nova York. “Em termos de cenário, figurino, coreografia. Nossa montagem é muito mais técnica”, explicou. O elenco do musical traz Letícia Colin, como a grávida Jeanie, Igor Rickli, como Beger, Carol Puntel, como a idealista Sheila, e o ator Hugo Bonemer, como o protagonista Claude – um jovem convocado para a Guerra do Vietnã. Möller afirmou que todas as cenas polêmicas da peça, onde se aborda aborto, drogas e quase todo elenco aparece nu no palco, vão estar presentes. “É um grupo de jovens que discute tabus, até a própria droga. Mas sem apologia, porque se fala que naquela época elas eram um portal para outras dimensões, mas havia um preço a se pagar”, disse. O sócio Cláudio complementa: “E o nu é tão político que quase não se percebe. A gente vive num País hipócrita, onde as pessoas ficam peladas no Carnaval e a garota de vestido rosa (Geisy Arruda) é linchada porque o vestido é curto. O nu choca quando é sexualizado. Aqui ele é tratado como cotovelo.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário